O espelho Diane contem os segredos da navegaçao antiga?

O espelho Diane contem os segredos da navegação antiga?
O lago de Nemi, situado na Itália, perto de Roma, enchâssé numa cratera, e levava o nome de "Espelho Diane". Um culto déesse lunar era devolvido estes em lugares durante a Antiguidade. Uma legenda local assegurava que navios magníficos, construídos sob o reino do Imperador Caligula, dormiam basicamente das águas. Entre 1929 e 1932, duas embarcações surpreendentes são descobertas, trata-se realmente do "Titanic" da Antiguidade, combinando progresso tecnológico, grandeza e luxo. Estes navios surpreenderam os arquitectos navais da nossa época, possuiam pregos que não oxidavam, que parece foi concebido por um meio electrolítico... melhor, estes navios possuiam bombas muito sofisticadas à água, mas também dos comboios de rolamento à esfera, cuja finalidade dividiu os investigadores. Quer serviam para subir as âncoras, âncoras modernas nas suas formas! Quer serviam para fazer girar a estátua Diane que era colocada sobre um destes magníficos navios. As dimensões são enormes para a época, 70 metros de longo para 18 metros de largas, as âncoras de madeiras medem 5 metros de longo! No entanto nenhum autor antigo fala destes navios de Caligula. E existiram. A nossa comissão arqueologia do Livro Mormon vai aprofundar este assunto. É certo que navios capazes de navegação océanique têm existido já à época, e que subestimamos o "knowhow" dos arquitectos navais do mundo Antigo. A descoberta da América por povos antigos é muito provável, mas a sua lembrança, como o dos navios avançados que reencontrou-se no lago Nemi foi esquecida. A queda do Império Romano e com ele, os conhecimentos do mundo Clássico causaram uma verdadeira amnésia, como dizia Carl Sagan, que foi a Antiguidade. A utilização destes navios gigantes foi parece religiosa e não de divertimento, tratava-se de verdadeiros templos flutuantes. Os historiadores são divididos para saber se tornasse-se um culto à Isis ou Diane sobre estes navios. Após os anos 41 após J.-C. a existência destas embarcações parece foi esquecida, pelo menos de acordo com a documentação que o moderna possuem. Os navios do lago de Nemi foram construídos de acordo com mais elevados os critérios "tecnológicos" romanos. O principal interesse destas embarcações consiste no facto de aquilo prova que os Romanos eram capazes de construir grandes navios, utilizando princípios que têm pensavam "modernos". Grande destes navios era um palácio flutuante destinado ao Imperador Caligula, e por seu lado, não parece ter tido uma função religiosa. Equipado de instalação luxuosa, este navio pode ser comparado com um navio! Possuia o aquecimento central, mosaicos de uma grande beleza, palácios com salas magníficas, e a tubagem era de mármore. Os pregos do vigamento do navio eram tratados de acordo com um método electrolítico, o que surpreendeu os arqueólogos. Aquilo quer dizer que não oxidavam. De resto estes pregos foram reencontrados num estado de conservação excepcional, apesar de uma estada mais que milénio na água. Estes navios fazem a pergunta de saber se a Antiguidade conhecer grandes navios capaz de ter o elevado mar, para navegações océaniques. Elementos dispersos que nós vêm de diferentes regiões do mundo, fazem inclinar a balança no sentido de um conhecimento do continente americano na Antiguidade. Por exemplo a presença de cristais de tabaco em momies egípcios, nomeadamente a Ramsès II, é estranha, ora o tabaco, é uma planta típica da América do Sul. Relações transatlânticas na Antiguidade são por conseguinte possíveis, são admitidas pelo investigador Martin Bernal, historiador à Cornell University, ou ainda por Alice Kehoe da universidade embute no México. Outros elementos a verterem ao processo, jarres romanos foram descobertos sobre as costas do Brasil, provindo de um navio romano. Contra argumento: se os romanos mantivessem relações comerciais com este continente, elementos de construções romanas teria sido descobertos na América. Mas nada impede uma descoberta fortuita por uma embarcação romana grès alizés ou das correntes marinhas, ou muito simplesmente das civilizações que existem já na América, os romanos puderam muito efectivamente fazer o comércio sem, no entanto, balcões para estabelecer cidades ou. Uma coisa é certa, navios antigos efectivamente atingiram o Novo Mundo, que aquilo seja querido ou o facto do azar. O livro Mormon fala-nos várias vezes de construção de navios antigos, podendo ter o elevado Mar. Por exemplo o livro Alma 63; 5 citamos: E chegou que Hagoth, homem extremamente hábil, foi-se construir um navio extremamente grande nas regiões fronteiras do país de Abundância, perto do país de Desolação, e lançou-o no mar do oeste, perto da língua estreita que efectuava ao país situado do lado do norte. A acção aqui foi datada ao redor 56-52 frontear. J.-C. este tipo de navio é muito provável de acordo com que sabemos por exemplo dos navios phéniciens, capazes de ter o elevado Mar, e podemos ser, de abordar ao Novo Mundo. Do mesmo modo o livro de Éter fala de navios pequenos mas uma técnica já avançada, dado que trata-se de barcos que têm "a ligeireza de um pássaro sobre a água" (Éter 2: 16/17) mas também estanques. Seria mesmo possível que fossem-se agido de espécies de submersíveis... Éter 2: 24 facto pensar à aquilo: "far-vos -ei subir profundidades do mar". Qualquer aquilo é plausível é distante ser ingénuo ou farfelu. O moderna têm algumas vezes a falta de pensar que volta foi inventada à nossa época, mas seria necessário recordar-se da Sabedoria Salomon no Ecclésiaste tão ele é dito "nada outra vez sob o sol". A descoberta e o estudo dos navios gigantes do lago de Némi permitem doravante encarar a existência de navios avançados, capazes de grandes navegações. Certamente os navios do lago de Némi não era concebidos para o elevado Mar, mas nada proibe pensar, que a mesma tecnologia pôde ser empregada para construir navios de exploração dos oceanos. A civilização antiga era avançada mais que a século X, em muitos domínios, século das luzes que foi o das grandes expedições marítimas como as de Cook ou Lapérouse. Os romanos puderam muito efectivamente comanditar expedições semelhantes sobre os mares, certamente não conheciam o uso da bússola (embora certos arqueólogos pensam que phéniciens utilizava por seu lado, uma espécie de bússola concebidos a partir de ferro météoritique magnético, mas é ainda controverso). A descoberta da América na Antiguidade? A coisa é distante ser absurda, e é certo que descobertas futuras irã0 no sentido de um conhecimento da América pelos Antigos.


29/01/2007
0 Poster un commentaire

A découvrir aussi


Inscrivez-vous au blog

Soyez prévenu par email des prochaines mises à jour

Rejoignez les 237 autres membres